Anas Falcata

Anas Falcata

Casal
R$ 2.100,00

Fêmea
R$ 1.100,00

Macho
R$ 1.100,00


GALERIA DE IMAGENS



DESCRIÇÃO


Pato-Falcato (ANAS FALCATA)

 
O pato-falcado ou (Anas falcata) tem um tamanho próximo da frisada e é um pato de água doce.
 
 
Taxonomia
 
O parente mais próximo desta espécie é a Frisada, seguido pelos wigeons.
 
 
Reprodução
 
O pato-falcado tem um ritual de acasalamento muito complicado. As fêmeas realizam uma série de chamadas para incitar e outros movimentos enquanto pavoneiam-se atrás das asas do seu macho alvejado. Os machos usam um método de cortejo similar a outros do género Anas, incluindo uma vibração introdutória, uma chamada de esticar o pescoço similar a um arroto, um apito grunhido, e uma exibição de cabeça e cauda para cima. Durante a época de acasalamento, o pato-falcado forma pares monógamos, que duram toda a época de acasalamento. Atualmente, não se sabe qual é a esperança média de vida do pato-falcado. Também não existe muita informação sobre o tamanho do seu território, porque estes patos não foram estudados tão proximamente como outras espécies mais populares, como é o caso dos cisnes ou gansos.
 
 
Hibridização
 
Um estudo de campo no Hyo-ko Waterfowl Park, uma reserva natural em Niigata, Japão, encontrou o que se presumiu ser um híbrido do sexo masculino de um pato-falcado e de um wigeon da Eurásia. Eles encontraram esses híbridos "selvagens" em vários casos ao longo dos últimos anos. Estas aves compartilham características morfológicas com ambas as espécies. Ainda assim, a maioria das características favorecem o pato-falcado. Foi reportado que estas aves híbridas tinham-se juntado a outros grupos cortejantes de wigeons da Eurásia e até tentar competir com os machos wigeon. Assobios como grunhidos e chamadas tipo arrotos como métodos de incitação do cortejo assemelham-se ao pato-falcado e não ao wigeon da Eurásia. A ave híbrida observada era bastante ativa sexualmente, contudo, ainda não se sabe se conseguem se reproduzir como quaisquer das espécies femininas.
 
A hibridização entre as duas espécies diferentes geralmente deixa a descendência estéril, mas este género mostra uma quantidade surpreendente de fertilidade híbrida. Esta espécie híbrida realizou rituais de cortejo mais próximos do pato-falcado, todavia socialmente era ativa nos grupos de wigeon da Eurásia. A reprodução com sucesso não foi vista entre a espécie híbrida e um wigeon fêmea puro da Eurásia durante o estudo de campo. Mais estudos sobre as espécies aviárias híbridas pode ajudar a trazer luz à reprodução aviária e à sua biologia evolucionária.
 
 
Distribuição e habitat
 
O pato-falcado procria no leste da Ásia. Aninha-se no leste da Rússia, em Khabarovsk, Primorskiy, Amur, Chita, Buryatia, Irkutsk, Tuva, oriental Krasnoyarsk, centro-sul de Sakha Sakhalin, extremo nordeste da Coréia do Norte e do norte da China, no nordeste da Mongólia Interior, e norte de Heilongjiang, e no norte do Japão, Hokkaido, Aomori, e nas Ilhas Curilas. É amplamente registado bem fora de sua escala normal, mas a popularidade deste belo pato em cativeiro obscurece as origens dessas aves extralimitais.
 
Este pato intrometido é fortemente migratório e passa o inverno em grande parte do Sudeste Asiático. Na Índia: Uttar Pradesh, Bihar, Assam, Haryana oriental. Também no norte do Bangladesh, do norte e centro de Mianmar, Laos do norte ao Rio Mekong, Vietnam do norte (desde o norte de Hanoi), e China: Hainan, Taiwan, Yunnan, Guangxi Zhuang, Guangdong, Fujian, Jiangxi, Hunan norte, Hubei, Zhejiang , Anhui, Jiangsu, Shandong, Hebei sul, Shanxi, norte de Shaanxi. É sociável fora da época de reprodução e irá então formar grandes bandos.
Estima-se que existam cerca de 89,000 patos-falcados no total; o que é muito mais do que a estimativa anterior da população, a qual se situava em somente 35,000 no mundo inteiro.
Durante um inquérito realizado na China Cental, um área migratória no inverno para o pato-falcado, os números de animais avistados foi mínimo. Em 2004, apenas 4 foram registados e em 2005 apenas 10.
 
Esta é uma espécie de zonas húmidas de baixa altitude, tais como várzeas ou lagos, e normalmente se alimenta intrometendo-se e bicando para recolher alimentos nas plantas ou pastagem. Aninha-se no chão, perto da água e sob a cobertura de vegetação mais alta. A ninhada é 6-10 ovos.
 
A Reserva Natural Nacional suportou grandes proporções de populações da China Oriental em termos de espécies ameaçadas, nomeadamente a espécie Anatidae (IUCN, 2009): 30% da população do quase ameaçado pato-falcado (Anasfalcata). Existe cerca de 27% da espécie de pato-falcado na
Reserva Natural Nacional.
 
Existem muitas espécies que têm linhagens de ADN mitocondrial que são filogeneticamente misturadas com outras espécies, mas estudos raramente testaram a causa de tal parafilia. Em um estudo que foi realizado, foram testadas duas hipóteses que poderiam explicar a parafilia mitocondrial da frisada (Anas strepera) com relação ao patos-falcados asiáticos (A. falcata). Em primeiro lugar, a hibridização poderia ter resultado no DNA mitocondrial (mtDNA) do pato-falcado, causando a introgressão na piscina de genes da frisada. Em segundo lugar, as frisadas e os patos-falcado podiam ter divergido tão recentemente que as linhagens de DNA mitocondrial não resultaram em monofilia recíproca. Eles usaram três análises coalescentes independentes para distinguir de três entre essas duas hipóteses. Duas linhas de evidências suportavam a introgressão. Primeiro, a análise de três loci combinados mostrou que alguma introgressão é necessária para explicar a diversidade genética atual nas frisadas. Segundo, eles geraram previsões alternativas em relação ao tempo devido a divergências estimadas do DNA mitocondrial: os patos-falcado e as frisadas teriam divergido entre 65.000 e 700.000 anos antes do presente (YBP) ao abrigo da hipótese de introgressão e entre 11.000 e 76.000 YBP ao abrigo da hipótese da realização incompleta da linhagem. Os dois intrões nucleares independentes indicaram que estas espécies divergem entre 210.000 e 5.200.000 YBP, que não se sobrepõem ao tempo previsto para triagem incompleta de linhagem. Estas análises também sugeriram que uma introgressão antiga (semelhante a 14.000 YBP) resultou na distribuição generalizada e com alta frequência de DNA mitocondrial característico do pato-falcado (5,5% de haplótipos) na América do Norte. Este é o primeiro estudo a usar uma estrutura quantitativa rigorosa para rejeitar uma classificação de  linhagem incompleta como a causa de parafilia mitocondrial.
 
 
Migração
 
Como uma das muitas espécies de aves, o pato-falcado migra através do Oceano Atlântico. Ele tem um grande espaço de ação, com uma extensão global estimada de ocorrência de 1,000,000-10,000,000 km2. Como 32 outras espécies dessa ave, voam da Eurásia para o leste dos Estados Unidos entre os meses de agosto e setembro. No entanto, 32 espécies de aves é uma pequena percentagem da população que realmente migra entre os hemisférios. Essas migrações de país para país podem causar algumas doenças (vírus) de insetos, como mosquitos, distribuídos da Europa para a América do Norte. A infeção acontece quando o mosquito pica um dos membros dos patos, enquanto num lugar, por exemplo, do Nilo Ocidental, e carregam o sangue contagiante para o Novo Mundo.
 
Deve notar-se que o pato-falcado é essencialmente nativo da Ásia. A faixa de Anas alcata, em termos mais coloquiais, é do leste da Sibéria e da Mongólia para o norte do Japão com territórios de inverno no sudeste da Ásia a leste da Índia. Também tem havido avistamentos na América, Polónia e Tailândia. No entanto, estes avistamentos têm sido atribuídos a patos errantes e patos que escaparam do cativeiro, e enquanto o pato-falcado tem a capacidade de imigrar do extremo leste para o oeste, é raro encontrar a ave fora da Ásia e da Eurásia.
 
 
Identificação
 
Os machos e as fêmeas têm comprimentos semelhantes em 46-53 cm. O seu peso pode variar entre 422-770 gramas, com os machos a pesarem mais do que os seus homólogos do sexo feminino. Em termos de envergadura, podem variar entre 79-91 cm. O macho reprodutor é inconfundível. A maior parte da plumagem do corpo é finamente cinza, com as penas de voo em formas de longas foices, que conferem o seu nome a esta espécie, penduradas nas suas costas. A cabeça grande é verde escura com uma garganta branca, um colcar verde escuro e uma coroa bronzeada. A zona da ventilação é padronizada com amarelo, preto e branco.
 
O pato-falcado fêmea é marrom escuro, com plumagem muito parecida com uma frisada feminina. O seu bico cinza e longo é uma ajuda na identificação. O macho eclipse é como a fêmea, mas mais escuro nas costas e na cabeça. No voo ambos os sexos mostram uma asa posterior cinza pálida. O espéculo enegrecido faz fronteira com uma barra branca na borda interna. As aves jovens são mais pequenas do que a fêmea e têm penas curtas.
 
Os juvenis têm a plumagem semelhante às fêmeas da espécie.
 
Estes patos são geralmente tranquilos, exceto no território de reprodução. O pato macho tem um apito estridente tyu tyu--vit ... tyu-vit ... tyu tyu--vit (Dementiev e Gladkov 1952) e um apito tranquilo terminando com um vacilante uit-trr (Flint et al. 1984). O pato fêmea tem um rouco quack, de duas sílabas, com uma chamada curta para incitar, e um agudo, de duas a quatro sílabas, decrescentes (Lorenz e Von de Wall 1960). A Anas falcata é conhecida por ter umas impressionantes e belas penas. Isto é em comparação com muitas outras aves como cisnes e gansos.
 
 
Influência humana e população
 
O pato-falcado precisa de terras húmidas costeiras para a sua sobrevivência. Uma das áreas ecológicas mais sensíveis no mundo é o extremo leste de Nanhuicounty, China, um local para o pato-falcado durante a estação migratória. Esta área é crucial para o pato-falcado devido a sua população ser extremamente baixa. A urbanização, bem como o crescimento econômico desta área levou a uma perturbação ambiental significativa na mesma. Contudo, um projeto de recuperação para criar zonas húmidas artificiais foi iniciado em 1999 e terminado em 2005. Posteriormente, estudos foram feitos para ver se as zonas húmidas artificiais foram tão eficientes como as naturais, e, embora as zonas húmidas artificiais fizessem ver aves marinhas migratórias, a sua população não foi tão alta como a verificada nas zonas húmidas naturais. Muito mais pesquisa precisa ser feita antes que as zonas húmidas artificiais possam coincidir com as zonas húmidas naturais, e fornecer um habitat aceitável para o pato-falcado.
Por volta da época das colheitas, durante o Festival da Primavera chinês, de inverno, em Nanhui, condado de Shangai, China, os gestores da lagoa drenam a água na mesma, a fim de capturarem peixe para fins comerciais. Nessa altura, a lagoa é dominada por patos-falcado empoleirados lá. Depois da lagoa ser escoada, ela permanece seca até a primavera seguinte, quando a água é reabastecida para o cultivo fresco. A altura em que a água é reabastecida é muito importante para as aves aquáticas migrantes na primavera. Se a água é reabastecida tarde demais, então a lagoa seca é inadequada para aves marinhas e garças
 
 
Dieta e papel no ecossistema
 
Os patos-falcado têm hábitos alimentares que geralmente consistem de pequenos invertebrados e outros insetos, bem como alimentos de origem vegetal. Comem principalmente insetos  e vegetação perto da água, consumindo animais, tais como larvas, crustáceos e moluscos. Eles também comem alimentos de origem vegetal: folhas, bem como sementes, grãos e nozes. Muitos acreditam que o pato-falcado ajuda a dispersar sementes em grandes áreas por causa de sua dieta. Estes patos são principalmente herbívoros. Estes patos são hospedeiros para uma série de diferentes parasitas (carrapatos, pulgas, piolhos) e, portanto, são portadores de doenças, tais como: o vírus do Nilo Ocidental, Gripe das Aves, Varicela Aviária, Salmonelose, Staphylococcosis, e E. coli. Além disso, eles carregam vírus, bactérias, fungos e protozoários que podem ser transferidos para outras criaturas, como os vertebrados e até mesmo seres humanos.
 
 
Procriação e ciclo de vida
 
Os ovos são geralmente colocados no final de maio. Eles têm seus ninhos no chão em gramíneas grossas, tufos, arbustos inundados, ou escondidos em madeira morta. Normalmente os ovos são aninhados perto da água, mas também têm sido vistos em pequenos arbustos a cerca de 80 metros da água. Os ovos tem uma cor branca com uma tonalidade amarela e rosada. As fêmeas incubam os ovos sozinhas, durante 24-25 dias em cativeiro. Os machos vão deixar a fêmea durante a incubação.
 
 
Ameaças
 
A principal ameaça ao pato-falcado é a caça, uma vez que as pessoas querem esses patos pela comida e pelas penas. A perda do seu habitat é causada pela drenagem de áreas húmidas. Apesar da população geral do pato-falcado ser maior do que antes se acreditava e já não estar classificada como uma espécie em perigo de extinção, é ainda considerada “quase ameaçada” na lista vermelha do ICUN (International Union for the Conservation of Nature).
 
Ações de conservação a decorrer
 
As populações de pato-falcado estão presentes num leque abrangente de preservadores da vida selvagem, parques nacionais, jardins zoológicos, e outras áreas de proteção como o Refúgio Nacional da Vida Selvagem de Colusa, em Sacramento, Califórnia.
 
Ações de conservação propostas 
 
Existem vários planos de ação propostos para a proteção do pato-falcado. Os conservacionistas estão ansiosos para continuar a acompanhar as populações que, infelizmente, pararam de se reproduzir, e pretendem apresentar uma petição para a regulamentação da caça e abate, tanto a nível local como nacional, respectivamente. Os conservadores também estão conscientes quanto à grande falta de educação no que diz respeito à extinção das aves aquáticas. Para os caçadores que ganham a vida da caça de  pato-falcado como fonte de alimento ou simplesmente como desporto de caça, os conservacionistas estão à procura de oportunidades de emprego alternativas. Finalmente, os conservacionistas esperam melhorar a gestão e coordenação de reservas naturais já existentes, onde o pato-falcado está presente.
 
Estado de conservação
 
O pato-falcado atualmente está num estado de “quase ameaçado” na Lista Vermelha do IUCN. A espécie está protegida ao abrigo da Lei do Tratado de Aves Migratórias, e a sua população geral parece estar (na sua maior parte) estável e em crescimento.